Nova Escola de Marketing

Por que se tornar uma vitrine de mídia agora?

Cursos Marketing Digital

Marcas como vitrines de mídias, marcas como mídias próprias. Há cinco anos falar sobre esse conceito era distante e estranho. Mas, atualmente, a maioria das empresas americanas trabalha em direção a isso. E as brasileiras deveriam trabalhar também.

Isso significa oferecer mais do que produtos e propaganda para o público. Significa oferecer conteúdo que atrai a atenção e agrega valor. A evolução dos meios de comunicação e as mudanças provocadas pelo uso generalizado da internet e suas ferramentas transformaram a indústria de mídia, as audiências e,consequentemente, a forma como as empresas podem se comunicar com seu público.

Público não é mais público-alvo apenas, ouvinte, passivo. Não existe o conceito de empresários e consumidores de forma separada. Existe o consumidor que é produtor, inventor e disseminador de qualquer tipo de conteúdo na internet. A credibilidade de cada postagem é conferida por toda uma multidão.

  • Discursos, imagens bem pensadas e campanhas segmentadas estão sendo substituídas por experiências de vida, histórias e pessoas reais na comunicação que dá mais certo.

É um universo diferente: são leitores engajados, ativistas sociais, funcionários que vestem as próprias camisas de suas carreiras, famílias inteiras se relacionando no meio, uma variedade de pessoas, classes sociais e opiniões que tornaram a publicidade tradicional insuficiente para estabelecer um relacionamento.

Concorrentes, empresas e clientes publicam da mesma forma, chegando a milhões de pessoas. Dependendo da plataforma, existem patrocínios para aparecer mais. E, dependendo da plataforma, sem patrocínio, não aparece, o que torna as empresas ainda mais fracas dentro dessa nova selva.

As empresas deixaram os artigos, as publicações tradicionais, a mídia espontânea e os comunicados de imprensa para se aventurar no mundo das mídias sociais, sites, plataformas de vídeo, hot sites, blogs e outras ações.

Qualquer tela, mobile ou não, é capaz de publicar, de qualquer lugar. E cada vez mais surgem aplicativos, plataformas, provedores, sites de conteúdo, mídias sociais diversas, sacudindo ainda mais esse universo.

E as empresas agora precisam se ajustar a esse mundo barulhento e cheio de ruídos que cria naturalmente um “déficit de atenção” nas pessoas, que aprenderam a ignorar sumariamente o que não lhes provoca interesse. Para atrair essa audiência, mais do que banners bonitinhos e propagandas engraçadinhas, é preciso criar novas estratégias para engajamento.

As empresas estão aprendendo a conversar em um mundo fragmentado e diverso, criando ainda uma oportunidade de negócios para novas empresas.

Conforme passa o tempo e as transformações permitem que a audiência exerça plenamente o seu poder, empresas e profissionais de marketing passam a se perguntar como se tornar uma empresa de mídia.

Não é um processo tão simples como chegar a uma agência de publicidade e dizer “faça-nos parecer uma empresa de mídia”. Não é possível da noite para o dia e requer certo investimento em cultura organizacional e principalmente, conteúdo relevante.

Mas, por que querer ser uma empresa de mídia em um mundo onde a mídia tradicional está nadando contra a corrente?

A diferença entre as marcas que produzem mídia e as empresas de mídia (como jornais, portais, TVs, etc.) é que o dinheiro que vem de dentro das marcas para a produção e a distribuição de conteúdo é revertido para aumentar as próprias as vendas de produtos e serviços. Não é assim com nossos veículos de comunicação, que fazem o seu dinheiro fora do conteúdo, por meio de propaganda paga ou patrocínio.

Infelizmente, a imprensa da forma tradicional ainda tem dois públicos: o anunciante e o leitor final. E quem realmente paga as contas é o anunciante, mesmo que existam assinaturas ou eventos. Isso significa que (sem ilusões), às vezes, o conteúdo é que acaba em último lugar.

Já uma empresa que passa a produzir conteúdo tem apenas um público: o mesmo que consome o conteúdo é o que compra produtos e serviços e resustenta o ciclo.

Mas, a mídia tradicional tem uma vantagem: está acostumada a contar histórias, produzir conteúdo em massa, atrair leitores através de informação.  E consegue ter uma audiênciafiel.

Como as marcas podem se tornar empresas de mídia?

O começo é pegar o que as empresas de mídia tradicional têm de bom:

– Conteúdo em massa: isso significa distribuir conteúdo com frequência, não importa o que aconteça. Para isso, é preciso um processo interno de organização;

– Conteúdo recente: fresco, quente, atualizado;

– Diferentes formatos: conteúdo em vídeo, texto, redes sociais, vídeos, posts, criando uma onipresença na rede. Agilidade na publicação (sem burocracias de aprovação).

Agir e pensar como uma empresa de mídia significa ter uma cadeia de fornecimento de conteúdo – aliada a uma cultura de processo interno de utilização do conteúdo, inclusive pelos representantes de venda – com publicações nos canais certos e no tom da empresa.

E no meio desse excedente de conteúdo à vista, não é fácil atrair a atenção das pessoas. Para realmente atingir os consumidores com uma mensagem relevante é necessária dedicação, planejamento editorial e estudo de público.

Mais dicas sobre o assunto você encontra aqui mesmo nesse site. Até a próxima!

Rafael Rez

Autor do livro "Marketing de Conteúdo: A Moeda do Século XXI". Possui MBA em Marketing pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) em 2013. Fundador da consultoria de marketing digital Web Estratégica. Além de Empreendedor e Consultor, é Professor de Pós e MBA em diversas instituições de ponta. Em 2016 fundou a Nova Escola de Marketing.

Cursos de Marketing Digital

1 Opinião
















Patrocinadores

Web EstratégicaMonetizze

Apoiadores

SEMRushLeadLoversSambatechUnbounceHuggy