Nova Escola de Marketing
Inbound Marketing

Inbound Marketing: o guia mais do que completo para o seu negócio

Imagine se você não precisasse correr atrás de novos clientes para a sua empresa. O que você poderia fazer com o tempo que economizaria com isso? Para muitos, isso pode até parecer uma utopia. Mas a verdade é que hoje já existem milhares de empresas que estão vivendo essa realidade. Você pode estar se perguntando agora como isso é possível. E a resposta é essa: Inbound Marketing.

Talvez você já tenha ouvido falar sobre isso por aí. Mas se ainda não entendeu o que é exatamente e não aplica no seu negócio, é muito provável que esteja deixando dinheiro na mesa.

Cada vez mais essa vertente do marketing tem se mostrado como a maneira mais certeira e barata de se promover uma marca, serviços ou produtos. Mas a importância do Inbound Marketing vai além disso, é também uma questão de sobrevivência para as empresas nesse mundo contemporâneo e digital.

Para entender melhor o que é o Inbound Marketing, como ele funciona e por que sua empresa precisa disso, acompanhe esse artigo até o final e saia daqui com uma perspectiva bem mais ousada e otimista para o futuro do seu negócio.

O que você vai descobrir aqui neste artigo:

  • O que é Inbound Marketing
  • Qual é o diferencial do Inbound Marketing
  • Quais são os benefícios do Inbound Marketing
  • Um breve histórico de como surgiu o Inbound Marketing
  • Como aplicar uma estratégia de Inbound Marketing no seu Negócio

O que é o Inbound Marketing?

É um conceito de marketing de atração. São definidas estratégias para atrair potenciais clientes para o seu website ou blog e transformá-los em leads, com quem você poderá se comunicar posteriormente.

O Inbound Marketing busca atrair clientes que já estão em busca de informações na internet sobre um produto, serviço ou assunto e que podem ser educados para comprar o produto/serviço que a empresa vende.

Inbound Marketing é uma estratégia bastante indicada para vendas complexas, vendas de alto ticket ou processos de tomada de decisão longos.

Dessa maneira a empresa tem a oportunidade de se relacionar com uma base de contatos usando conteúdo personalizado e autoral. Nesse processo você educa seus leads sobre os problemas que vivem ou que podem enfrentar, ao mesmo tempo em que paralelamente  apresenta maneiras de solucioná-los.

Quanto mais útil, genuíno e de qualidade for o conteúdo fornecido aos seus leads, mais eles enxergarão a empresa como uma referência no seu segmento de mercado. E isso estabelecerá a confiança deles em você.

Com isso você define um processo preparativo que vai “amaciando” os seus leads para o momento de apresentar as suas ofertas, que vão gerar vendas e dinheiro no caixa.

Numa era em que as pessoas desconfiam de empresas e corporações, ser transparente e oferecer conteúdo de qualidade que ajuda o cliente a tomar uma boa decisão é um diferencial indispensável!

E qual a é a novidade que o Inbound Marketing trouxe?

Para entender isso, primeiro precisamos olhar para o que se fazia como marketing antes do advento da internet, que era o conceito de Publicidade Ostensiva, baseado em Mídia de Interrupção, além das vendas baseadas em Prospecção de Clientes, hoje gourmetizadas sob o termo Outbound Marketing.

Nesse modelo, considerado por muitos como o “marketing tradicional”, é usada uma comunicação que interrompe o fluxo do consumo de informação do potencial cliente .

É o que acontece na televisão, por exemplo. O telespectador está assistindo a programação a qual é interrompida por blocos comerciais. Caso ele queira voltar a consumir o conteúdo que estava assistindo, é “obrigado” a assistir os comerciais.

Sob esta ótica, no  marketing tradicional o cliente é conduzido a consumir  um conteúdo que não pediu para ver, e muitas vezes ele nem mesmo foi feito pensando nas necessidades que você tem.

Isso não dá mais resultado como antigamente. Na verdade, tem dado pouco resultado. Porque a internet trouxe novos hábitos de consumo de informação. Hoje o usuário sabe que está no controle, que ele não é obrigado a consumir conteúdos que não precisa.

Essa é a grande novidade do Inbound Marketing, ele não invade a vida do consumidor, mas se integra aos interesses, demandas, necessidades e desejos do próprio cliente..

Sabemos que hoje qualquer um com acesso a internet vai utilizar os mecanismos de busca para resolver problemas, ou que está em redes sociais interagindo com informações que são de seu interesse.

O inbound marketing foca em produzir conteúdo útil que resolva necessidades reais para atrair a atenção de um determinado público nos mais diversos canais de comunicação, e conduzí-lo por um processo que vai educá-lo a perceber valor naquilo que o seu negócio tem para oferecer.

Em outras palavras, no inbound marketing não é você quem vai atrás do cliente, é ele quem vem atrás de você!

Ao invés de gastar tempo e recursos para prospectar novos clientes por aí, aplica-se esse esforço em gerar conteúdo relevante que vai ocupar espaço na internet e ser consumido por pessoas interessadas no assunto.

Na internet, é o usuário quem manda

As maiores plataformas da web sempre focam na experiência do usuário. O Google prioriza conteúdos de qualidade pois a sua proposta de valor é entregar bons resultados de pesquisa para o usuário. Do contrário, as pessoas não usariam o buscador.

O Facebook, no mesmo passo, penaliza conteúdos que prejudiquem a experiência positiva de seus usuários dentro da plataforma.

Essa é outra grande novidade que o Inbound Marketing trouxe. Tudo deve ser planejado e produzido pensando na melhor experiência possível para o usuário, focando em conteúdo personalizado para um determinado perfil de pessoa, que geralmente denominamos “Persona” no universo de Marketing Digital e do Inbound Marketing

O que antes era um gasto agora é investimento

Outra grande transformação que o inbound marketing trouxe para as empresas é que publicidade deixou de ser apenas um custo necessário, e passou a ser um verdadeiro ativo gerador de renda.

Uma vez produzido o conteúdo e ajustado com os primeiros testes, você não precisa refazê-lo. Ele funciona como se fosse um fundo de investimento, onde você deposita seu trabalho e posteriormente ele fica rendendo leads para o seu funil de relacionamento que leva a uma oferta de compra.

Além do conteúdo de atração publicado, a metodologia de relacionamento também melhora muito a taxa de churn (retenção de seus clientes), diminuindo drasticamente a necessidade de sempre prospectar novos clientes para manter a rentabilidade no negócio.

Quais são os benefícios do Inbound Marketing?

Essa é uma tendência cada vez mais crescente no mercado como um todo. Quando boa parte das empresas começam a adotar alguma coisa, provavelmente existam motivos interessantes para isso.

Muita economia nas operações de Marketing

Em primeiro lugar, você economiza muito dinheiro em relação ao marketing tradicional.

Já é comumente sabido que o inbound marketing é 62% mais barato que o marketing tradicional. E a média do ROI (retorno sobre investimento) que proporciona é 275%.

A idéia aqui não é substituir outras iniciativas de marketing, mas atuar no ambiente digital de forma estratégica e integrada, com custos previsíveis e retorno considerável.

Ocupação digital e autoridade nos assunto pesquisados

Quanto mais você gerar conteúdo de qualidade, mais ocupará espaço na internet sobre o seu segmento de atuação. E isso pode tornar o seu negócio uma grande autoridade no seu segmento  de mercado.

Lembre-se: se uma pessoa está navegando na internet, está necessariamente consumindo alguma informação. As perguntas que você deve se fazer é: o meu conteúdo está sendo consumido? E por quem?

Para elucidar a importância do inbound marketing nesse quesito, vamos a algumas estatísticas:

  • Sites e blogs que contenham 51 a 100 páginas geram 48% mais tráfego que os que contenham 1 a 50 páginas;
  • Empresas que publicam 13 conteúdos mensais recebem 4,2 vezes mais visitas em seus sites e blogs;
  • Publicações em Blogs conseguem alcançar em média 1,8 vezes mais visitas para empresas que usam essa prática;
  • 80% dos consumidores afirmam preferir buscar informações sobre um serviço ou produto em artigos ao invés de um anúncio de publicidade.

Fortalece o relacionamento com os leads e fideliza clientes

Com o inbound marketing sua marca fica mais presente na vida da pessoas. Ao nutrir  seus leads com conteúdos instrutivos relacionados à sua futura oferta, você mantém o seu negócio na mente deles.

As pessoas preferem comprar de quem elas já conhecem. Gerando conteúdo de valor, elas tenderão a comprar suas ofertas por afeição.

Isso sempre manterá sua audiência próxima, o que significa que sempre há potenciais clientes ouvindo você. Nutrir seus leads com conteúdo pode gerar um aumento de 20% em oportunidades de vendas. (Demand Generation Benchmarks | HubSpot)

E fidelizará clientes conquistados, melhorando muito a taxa de churn no seu negócio e o Valor do Ciclo de Vida do cliente, o LTV (LifeTime Value).

As empresas que trabalham nutrindo seus leads costumam gerar em média 50% mais vendas, ao passo que reduzem a verba de marketing em 33%. (Forrester Research)

Preparar a sua base de contatos com conteúdo consistente e periódico é uma grande força que o inbound marketing também proporciona.

Como e quando surgiu o conceito de Inbound Marketing

É impreciso dizer exatamente em que ano isso surgiu, pois foi resultado de um processo de transformações no mundo da tecnologia e das comunicações.

Toda tecnologia que é lançada no mercado e popularizada transforma diretamente as mais diversas relações da nossa sociedade. Hoje você não precisa viajar grandes distâncias para rever e conversar com familiares e amigos: as chamadas em vídeos nunca foram tão comuns.

Não foi diferente com as relações de consumo. Passando a ter acesso a, basicamente, qualquer informação ao alcance de um toque, o consumidor adquiriu novos hábitos e abandonou outros antigos que não lhe valem mais.

A informação à disposição do usuário: quando o consumidor ganhou poder

Em 1995 foram lançados os primeiros mecanismos de buscas na internet, e assim os usuários passaram a pesquisar sobre assuntos de seus interesses, inclusive sobre produtos e serviços que desejavam.

Nessa mesma época surgiu o termo SEO (Search Engine Optimization), e no início os algoritmos dos motores de buscas baseavam-se em informações geradas pelos webmaster, ou seja, basicamente por fatores on-page.

Com a crescente popularização do acesso a internet ganhou força. Em 1995 eram 16 milhões de pessoas conectadas, e dois anos depois já eram 70 milhões.

Consequentemente houve um vertiginoso aumento de demanda por busca de informações. Proporcionalmente, mais conteúdo foi criado para habitar a internet.

Assim, em 1998, novos mecanismos de busca foram lançados e o Google chega introduzindo o PageRank que redefiniu a forma de organizar e entregar o conteúdo espalhado pela rede para os usuários.

Os Blogs como plataformas para publicação e consumo de informação

Neste mesmo ano o uso de Blogs ganha muita força, com grande destaque para o Blogger (que mais tarde, em 2003, foi comprado pelo próprio Google). O uso dos blogs mostrou que a internet permitia que qualquer pessoa com acesso a internet poderia gerar conteúdo e atrair uma audiência dentro da internet.

Não demorou muito tempo para as empresas de tecnologias de telecomunicações e informática perceberem esse potencial de consumidores do mundo todo procurando por informações na internet, sobretudo com o uso de mecanismos de buscas.

Foi assim que entramos na era do Inbound Marketing, marcada principalmente pela produção de conteúdo autoral de pessoas e empresas, com ênfase no compartilhamento de informações de valor com usuários da rede para atrair e aglutinar uma determinada audiência com potencial para se tornar clientes consumidores.

As redes sociais esquentaram a relação entre empresas e consumidores

Outras plataformas surgiram anos mais tarde, ampliando ainda mais o poder de compartilhamento e consumo de conteúdo por parte do mercado consumidor. Chegam as redes sociais entre 2003 e 2004, com grande destaque para o Facebook que se tornou a maior referência.

As redes sociais fundamentaram um ponto muito importante de comunicação entre público consumidor e marca. Agora, mais do que nunca, o consumidor poderia se expressar diretamente com as marcas e empresas, influenciando inclusive na maneira como elas são vistas no mercado.

As plataformas de vídeos criando emissores de conteúdos audiovisuais

Em 2005 chega o Youtube, revolucionando a internet no quesito de conteúdos audiovisuais. Ele permitiu que qualquer empresa ou pessoa pudesse criar um canal, produzir e distribuir conteúdos em vídeo, tornando cada um como uma emissora de televisão de si mesmo.

Assim os conteúdos em vídeos ganharam muito destaque e passaram a ser mais um formato importante para entregar conteúdo e se relacionar com audiências.

Surgimento dos mobiles: a internet de bolso

Em 2007 os aparelhos mobile aparecem no mercado e faz com que as pessoas passem cada vez mais tempo consumindo informação na internet. E isso fomentou mais ainda a tendência de usar o inbound marketing, agora com novas oportunidade, como por exemplo os aplicativos para smartphones.

A popularização do Inbound Marketing

O termo “inbound marketing” se popularizou, de fato, só a partir de 2009, quando foi lançado o livro de Brian Halligan e Dharmesh Shah, intitulado “Inbound Marketing: seja encontrado usando o Google, mídia social e os blogs”.

Muita coisa mudou desde esse livro, e muitos outros canais de informação e comunicação surgirão na internet. Mas o inbound marketing tende a permanecer como conceito, mesmo que tenha que se adaptar a novas tecnologias.

E isso porque ele é uma resposta às exigências de um público consumidor que tem cada vez mais poder de escolha daquilo que vai consumir como informação, e usa esse potencial nas suas decisões de compra, seja online ou offline.

O Inbound Marketing tem mostrado como a única maneira de se fazer marketing, por que ele renovou essa área da comunicação.

Como o Inbound Marketing é aplicado?

Talvez, até aqui, você já tenha entendido o que é o inbound marketing e por que ele é importante para o seu negócio, mas não como aplicá-lo.

Funil de Inbound Marketing

Para se executar inbound marketing com sucesso é preciso adotar sua metodologia baseada em cinco etapas sequencialmente lógicas. Elas configuram um sistema automatizado onde, numa ponta, existe a captação de possíveis clientes e na outra as vendas do seu negócio.

Continue atento aos parágrafos seguintes para entender definitivamente como você vai aplicar inbound marketing.

1ª Etapa: ATRAIR

Quase metade da população mundial tem acesso à internet. Só no Brasil, são 120 milhões de usuários navegando na web.

Toda essa gente está consumindo alguma informação. E muitas delas estão buscando saber mais sobre algum assunto que esteja relacionado ao seu segmento de mercado.

Nesta etapa é necessário publicar conteúdo autêntico e de qualidade que resolve as necessidades do público que você quer atender. Esse conteúdo deve ser útil e agregar algum valor à audiência que consumi-lo.

Isso deverá impactar o tráfego que chegar ao seu conteúdo o suficiente para engajá-lo na sua comunicação, fazendo com que permaneça em contato com você.

Para atrair público até o seu conteúdo, você deve pensar nos seguintes elementos:

  • Blog

É onde estará alocada toda sua estratégia de marketing de conteúdo, uma das peças chaves do inbound marketing. Seu conteúdo deverá ser personalizado para o público alvo que você busca como consumidor.

Deve existir um planejamento estratégico para colocar sua audiência numa sequência lógica de consumo do conteúdo, alinhado com suas preferências e etapas de sua jornada de compra.

Mas não basta apenas informar. É preciso criar um relacionamento e identificação do seu público com você para que ele se engaje na sua mensagem e acompanhe o processo que vai educá-lo a se tornar um cliente.

  • SEO e Ranking

Todos os dias  são realizadas mais bilhões de pesquisas nos motores de busca do Google. São pessoas buscando respostas para resolver seus problemas na vida, e seu negócio pode ser a solução perfeita para um determinada grupo.

Os mecanismos de buscas priorizam sempre a melhor experiência possível para o usuário. E isso é definido a partir de diversos critérios que determinam se um site ou blog é digno e relevante o suficiente para aparecer nos primeiros resultados de uma pesquisa.

É necessário estudar esses critérios dos motores de busca e produzir conteúdos em plataformas baseando-se em técnicas de SEO.

De nada adianta ter um ótimo conteúdo se ele não for exibido para aqueles que têm interesse.

  • Anúncios e Links Patrocinados

Essa é uma maneira mais imediata de atrair tráfego. É possível anunciar seu conteúdo de forma segmentada, buscando um público específico em diferentes momentos psicológicos de compra.

Existem diversas maneiras de anunciar seu conteúdo na internet, mas aqui vamos citar as mais usuais.

Anúncios em Rede de Pesquisa: você cria campanhas de anúncios baseadas em palavras-chave definidas por você, que nada mais são que termos de busca. Quando esse termo é pesquisado, seu anúncio poderá aparecer nos primeiros resultados da busca.

Anúncios em Display na rede: o Google tem um programa de afiliação (Adsense) onde sites e blogs destinam espaços em suas páginas para anúncios do buscador. Você pode destinar banners nesses espaços e escolher em que tipo de site eles vão aparecer, segmentando por temas. O algoritmo também pode alocar esses banners de acordo com as buscas anteriores do usuário, registradas em seu histórico.

Facebook Ads: considerando que 90% do público conectado na internet também estão presente nessa rede social, essa é uma ótima plataforma para anunciar seu conteúdo. Aqui você poderá segmentar seus anúncios para públicos a partir de seus interesses ou até mesmo usando uma base de contatos já existente.

Native Ads: são anúncios veiculados no final de artigos e reportagens nos mais diversos sites e blogs espalhados pela rede. Nesse formato, o anúncio é exibido como se fosse um artigo ou notícia sugeridos após a leitura de um outro conteúdo.

  • Redes Sociais

São ótimos canais de atração de público. Nelas você pode divulgar os seus conteúdos com abrangência pois essas plataformas têm recursos que facilitam muito o compartilhamento de informações.

Nas redes sociais também é possível interagir em fóruns e grupos que estejam relacionados ao seu segmento de atuação no mercado. Isso permite que você crie um relacionamento mais próximo e personalizado com o seu público alvo.

Nas redes sociais o “pulo do gato” é ter uma abordagem mais pessoal. Lá as pessoas estão para se entreter e conversar com amigos e familiares. Uma comunicação formal ou corporativa não vai surtir efeito no seu público.

A grande vantagem das redes sociais é que elas nos fornecem riqueza de informações. Através delas você pode entender melhor como é o comportamento da sua persona, seus interesses e quais são os seus principais problemas. Isso vai te ajudar muito a customizar a sua comunicação, aumentando suas chances e conversão em vendas.

2ª Etapa: CONVERTER

Quando um usuário na rede acessa o seu site ou seu blog, ele ainda é apenas um visitante. O próximo passo é incorporá-lo em sua base de contatos. Ou seja, ele precisa se transformar em um lead.

Para que isso aconteça, esse visitante deverá deixar algumas informações relevantes no seu site, como por exemplo seu nome, email, telefone, cidade, ou outros dados que sejam interessantes para sua estratégia de conversão e vendas.

De forma a dar um motivo para que o visitante conclua essa ação, é recomendável que você ofereça em troca algum tipo de conteúdo rico com informação de valor, como por exemplo um ebook, um acesso exclusivo a alguma área de assinantes ou até mesmo um sorteio de prêmios.

Obviamente, esse material usado como troca pelas informações do seu lead deve ser congruente com aquilo que ele procura resolver em sua vida e com a oferta de produto ou serviço que você fará futuramente.

A captação de leads é a primeira conversão que o seu negócio deve realizar antes da venda propriamente dita. Eles são os seus prováveis clientes. Nada adianta ter um site ou um blog muito bom se não houver conversão em leads.

3ª Etapa: RELACIONAR

Esse é o processo pelo qual você irá estreitar laços com a sua base de leads, criando autoridade no assunto relacionado e estabelecendo confiança com eles.

Poucos serão os leads convertidos que decidirão comprar de você num primeiro momento. Na psicologia de vendas, existem diversas fases que uma pessoa precisa percorrer para tomar uma decisão de compra. É a famosa jornada de compra.

Essas fases devem ser respeitadas, e se você atropelar qualquer uma delas vai acabar passando aquela impressão de vendedor insistente.

O relacionamento com seus leads consiste em nutrindo-lo com conteúdo numa sequência que respeite a jornada de compra do consumidor. Através desse processo você irá educá-los com informação e prepará-los para o momento certo de se apresentar uma oferta de venda com a solução dos problemas que ele busca resolver.

4ª Etapa: VENDER

Essa é a etapa que todo empreendedor deseja chegar logo. Entretanto não se trata apenas de receber pagamentos.

Alguns de seus leads chegarão a esta etapa já decididos a realizar uma compra e farão isso tranquilamente. Outros porém, mesmo querendo muito comprar, não vão efetivar a transação por diversos motivos, e cabe à sua equipe de vendas descobrir quais são eles e reverter a situação.

Existem muitos fatores que podem influenciar na sua taxa de conversão de vendas. Porém na maioria das vezes você pode melhorá-la apenas dando mais atenção personalizada aos seus “quase compradores”.

A verdade é que ninguém gosta de comprar, pois uma compra implica em gastar dinheiro. Temos uma resistência inconsciente a isso. E soma-se nessa receita o medo que todo ser humano tem de ser enganado.

Portanto quanto mais complexo for o seu produto, ou quanto maior for o seu ticket, mais atenção você precisa dar ao seu lead na fase de fechamento da venda. A equipe de vendas deve ter um papel de consultoria, buscando entender os motivos pelos quais o seu lead ainda não comprou e reforçando os benefícios e garantias que ele terá se comprar.

O marketing passou por profundas transformações com o desenvolvimento tecnológico. E se o marketing mudou, o processo de vendas há de mudar também. E hoje você pode contar com alguns processos que já estão consagrados para ter um bom desempenho nas vendas.

  • Inbound Sales

Ao passo que o inbound marketing proporciona uma organização sistêmica e facilmente mensurável, dando mais previsibilidade para resultados de ações práticas, o Inbound Sales faz a mesma coisa com a área de vendas.

Lançando mão das tecnologias de comunicação, a sua equipe de vendas pode fazer reuniões com potenciais clientes para fazer demonstrações, tirar dúvidas e fechar contratos.

Isso permite um maior controle do desempenho e acompanhamento da equipe no momento de concluir a venda. Dessa maneira é possível detectar pontos de melhorias com maior precisão na argumentação dos vendedores.

Além disso, mantendo uma equipe de vendas interna reduz-se muito os custos de deslocamentos e demais despesas de reuniões presenciais.  E isso significa maior lucratividade do processo.

  • Lead Scoring

Essa é uma ferramenta que atribui pontuações de cada lead conforme as informações que ele fornece e ações que ele toma ao longo do funil nos seus diversos canais de comunicação.

Isso mostra em qual momento de compra se encontra o seu lead e indicará quando é o melhor momento para se apresentar a sua oferta.

O lead scoring baseia-se em dois critérios chaves: perfil e interesse.

  • CRM (Customer Relationship Management)

Usando esse recurso tecnológico você pode organizar as informações que obter no processo de vendas, definindo um histórico da negociação com o lead e medindo o andamento da operação.

Todas as negociações do vendedor são guardadas no histórico, com todas as informações e resultados obtidos. Isso também pode ajudar muito a detectar pontos de aperfeiçoamento que podem aumentar as vendas.

Essa é uma ferramenta muito útil para quando se precisa ter um contato mais direto, um a um, para conclusão de vendas. Unindo as informações e histórico do lead com o histórico das negociações do vendedor é possível detectar pontos de aperfeiçoamento que podem melhorar a abordagem do profissional e aumentar a performance em vendas.

5ª Etapa: ANALISAR

Como já mencionado aqui nesse artigo, uma das novidades que as tecnologias de comunicação trouxe para o marketing foi a capacidade de monitorar e mensurar o resultado e o desempenho de campanhas em tempo real, de maneira bastante precisa.

É primordial que se faça o acompanhamento e análise de dados de maneira sistêmica para ter informações relevantes que permitam alcançar melhorias nas campanhas, ajustando o todo o processo de inbound marketing.

Você deve analisar o comportamento dos usuários que acessam o eu blog ou o seu site para entender como o seu conteúdo está performando. E a ferramenta mais conhecida para isso é o Google Analytics.

É necessário também analisar o desenvolvimento das estratégias de SEO que estão sendo aplicadas. E para isso existem uma infinidade de recursos pela web.

Para os anúncios, você deve analisar o desempenho de suas campanhas através das plataformas de anúncios, que fornecem uma grande variedade de dados do comportamento do público alvo e mostram se existe um bom desempenho da comunicação.

Todas essas informações deverão ser cruzadas com as outras obtidas pelo seu funil de relacionamento com seus leads e com o desempenho das vendas do seu negócio. Isso vai indicar se todas as ações da sua estratégia de inbound marketing estão convergindo para o objetivo principal do seu negócio.

Nesse sentido o conceito de inbound sales vem se desenvolvendo cada vez mais e mostrando resultados expressivos para quem o aplica.

O que você não deve esquecer sobre Inbound Marketing.

O inbound marketing é a sobrevivência do marketing aos novos comportamentos do público consumidor gerados pela presença ostensiva da internet no nosso dia a dia.

O público está cada vez mais acostumado a ignorar propagandas invasivas, e com isso o marketing tradicional não tem dado mais resultado como antigamente.

O inbound marketing se destaca como estratégia por que incorpora o seu marketing como conteúdo relevante para o público que você quer como consumidor dos seus produtos ou serviços.

Essa nova metodologia está gerando economia de verbas volumosas com publicidade e propaganda para milhares de empresas, além de gerarem um maior volume de vendas.

Aplicar o inbound marketing no seu negócio não será uma tarefa fácil. É necessário muito planejamento estratégico e também produção de conteúdo educativo para os seus leads. Mas uma vez feito, vai gerar resultados que você não imaginava serem possíveis.

Você pode precisar de ajuda para elaborar o seu plano de inbound marketing. E nós estamos à disposição para estender a mão para você.

Cadastre-se na Nova Escola de Marketing e acompanhe os nossos cursos intensivos de Marketing Digital e Inbound Marketing!

Rafael Rez

Autor do livro "Marketing de Conteúdo: A Moeda do Século XXI". Possui MBA em Marketing pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) em 2013. Fundador da consultoria de marketing digital Web Estratégica. Além de Empreendedor e Consultor, é Professor de Pós e MBA em diversas instituições de ponta. Em 2016 fundou a Nova Escola de Marketing.

Cursos de Marketing Digital

Opinar










Patrocinadores

Web EstratégicaMonetizze

Mantenedores

LaharSEMRushLeadLoversSambatechClint.digitalUnbounceEADbox