Nova Escola de Marketing
Marketing Profissional

Como Fazer Marketing Pessoal na Internet

Saiba como usar a internet para ganhar relevância e se tornar uma autoridade na sua área de atuação atraindo boas oportunidades.

Aviso: este não é mais um daqueles artigos falando sobre marketing pessoal como uma forma de autopromoção corporativa. 

Vamos tratar aqui do marketing pessoal direcionado a construir e promover a sua imagem profissional na internet, seja para obter mais clientes para um negócio próprio, ou para se destacar profissionalmente e ganhar relevância na sua área. 

Nesse artigo você não vai encontrar dicas de comportamento ou visagismo, a proposta é realmente é tratar do marketing pessoal com uma visão estratégica para internet.

Se é isso que você está buscando te convido a acompanhar, pois o que você vai encontrar aqui é um conteúdo rico sobre marketing.

Para que serve o Marketing Pessoal?

fazer marketing pessoal

Vou puxar o gancho desse subtítulo e começar esse artigo dizendo que o marketing pessoal não serve só para atrair clientes. 

O marketing pessoal te define profissionalmente para o mundo e por consequência todo o trabalho que você fizer nesse sentido vai atrair oportunidades relacionadas ao seu posicionamento. 

Seja um convite para palestrar, seja uma parceria de negócios, ou uma indicação profissional.

E… o seu posicionamento no marketing pessoal vai te definir!

*Guarde essa frase com carinho. 

Uma escolha errada no seu posicionamento pode fazer você seguir por um caminho indesejado. 

Seja uma campanha de anúncios mal segmentada, seja um conteúdo que não se relaciona com o seu público. 

Claro que estes são exemplos de problemas fáceis de resolver. 

O pior cenário ao falhar no seu posicionamento é passar anos construindo uma imagem profissional da qual você não sinta orgulho. 

Entenda que o seu posicionamento está intimamente ligado a algo maior: o seu propósito. 

Posicionamento para Marketing Pessoal

Para começar a definir os caminhos do seu marketing pessoal na internet, você deve ter muito claro o seu posicionamento. 

Alguns profissionais até já podem ter este posicionamento muito claro e definido. Na área médica, de certa maneira esse posicionamento fica em evidência, principalmente quanto maior o nível de graduação, especialização ou capacitação. 

É esse exemplo que eu vou trazer para exemplificar o posicionamento, mostrando que até mesmo os especialistas podem optar por micro-nichos para se especializarem ainda mais. 

Digamos que você é o paciente e apresenta com tremores na cabeça, você encontra então duas opções de profissionais: um Neurologista ou um Neurologista especialista em tremores.

Qual você escolheria?

Obviamente o especialista em tremores. Ok. 

Agora, digamos que antes de escolher você consulte antes um Clínico Geral, que irá indicar um profissional para te atender. Ele provavelmente vai indicar o profissional mais capacitado que conhecer

Aqui cabem duas observações: 

A primeira diz respeito ao nível de consciência dos pacientes (clientes), em um cenário o paciente tem consciência do problema e sabe exatamente o profissional a quem recorrer (um Neurologista), no outro cenário o mesmo paciente não sabe a qual especialista recorrer e passa por mais um nível dentro do Funil de Vendas. Aprenda mais sobre Funil de Vendas neste vídeo

A segunda observação é de que no primeiro cenário quem vai em busca do especialista é o paciente e no segundo cenário é um intermediário (Clínico Geral), que irá indicar um especialista. 

Fazer network com outros profissionais que possam te indicar é tão importante quanto estar presente nos canais de descoberta dos seus clientes, vale então participar ativamente de grupos, fóruns e eventos (online e offline). 

O Marketing Pessoal na internet vai ajudar a evidenciar essas qualidades e especialidades, levando a sua mensagem para mais pessoas, mas não deixe de se relacionar também em eventos do seu segmento. 

Isso vale para todos os profissionais!

Para muitos profissionais o posicionamento ainda não está claro, ou não está bem definido. 

Puxando outro exemplo rápido, um advogado que se especializou em direito da família ainda está concorrendo com milhares de outros advogados especialistas em direito da família.

Será que isso é um diferencial?

É possível ir mais fundo e definir um micro-nicho?

Claro que sim!

Imagine um advogado de direito da família especialista em alienação parental, por exemplo. 

No meio arquitetônico podemos ter uma arquiteta especialista em casas pré-fabricadas de contêineres. Ou, um designer de ambientes especialista em quartos infantis.  

Claro que definir o seu posicionamento não é uma tarefa fácil. 

Lembra da frase que eu pedi para você guardar com carinho?

“O seu posicionamento no marketing pessoal vai te definir!”

É por isso que por medo ou insegurança muitos profissionais acabam sendo generalistas demais. 

Tem um pensamento contraditório que é: “estou tendo dificuldade, então não posso escolher serviço”

Só que ao mesmo tempo, ao se igualar a todos os outros profissionais a dificuldade em conseguir se destacar é bem maior. 

Caso você esteja começando profissionalmente é muito mais fácil escolher um segmento de clientes e criar uma comunicação direcionada, do que ser generalista e tentar falar com muitos públicos. 

Trazendo para o marketing digital, a sua promoção na internet é feita através da comunicação. Sem um posicionamento você não consegue definir: com quem precisa falar (sua audiência), o que vai falar (seu conteúdo) e onde vai distribuir esse conteúdo (canais de comunicação). 

Ao tentar falar com muitos públicos você vai acabar gastando muito em anúncios para diversas segmentações, ou sendo generalista e não conseguindo resultado nas suas campanhas. 

Ficou claro que o seu posicionamento é a primeira coisa que você deve planejar antes de pensar em fazer marketing pessoal na internet. 

Afinal estamos falando em se destacar e não tem como se destacar sendo generalista.

Como definir o seu posicionamento?

São muitos os caminhos que levam a “ROMA”, ou seja, você pode definir o seu posicionamento de diversas maneiras. 

posicionamento e marketing pessoal

Tem pessoas que fazem um benchmark, pesquisando o mercado, os concorrentes, o público, para então definir um caminho a seguir. É um jeito de fazer, mas ao olhar só para a concorrência você pode acabar se limitando. 

Contudo, o benchmark pode te trazer boas ideias e mercados pouco explorados se você souber identificar as necessidades do público. 

Você também pode seguir o caminho acadêmico, como fazem muitos profissionais e se especializar, ou ainda, trazer alguma técnica inovadora para a sua área.

O mais importante é entender que o posicionamento vai te definir como profissional e em um mundo onde as 2 perguntas que as pessoas fazem ao te conhecer é:

– Qual é o seu nome?

– O que você faz?

Eu diria que seu posicionamento profissional é indissociável da sua vida social, ainda mais quando falamos em marketing pessoal, pois o que você publica nas redes vai de encontro a sua vida profissional. 

E como o posicionamento também está ligado ao seu propósito, vale pensar nessas 4 coisas:

  1. No que você faz de melhor (talentos); 
  2. No que você ama fazer (paixão);
  3. No valor que você quer entregar aos seus clientes (missão);
  4. No que te traz ou pode te trazer ganhos profissionais (lucro).

Quando esses 4 itens andam juntos tudo fica mais claro e você chega ao caminho para a realização profissional. 

Agora chega de papo coach. 

O propósito ajuda você a definir o seu posicionamento, mas se tudo parece nebuloso comece fazendo um bom benchmark ou PESQUISA DE MERCADO, tanto da concorrência, quando dos seus potenciais futuros clientes, descobrindo suas necessidades. 

Tem uma coisa que eu sempre digo:

Como profissionais somos antes de tudo, resolvedores de problemas. 

Quais “problemas” dos seus clientes você está se propondo a resolver? 

Se quiser saber mais sobre tudo isso, aprender a fazer um bom benchmark, como fazer uma super pesquisa de concorrência e de mercado, nossos professores ensinam isso e muito mais em detalhes no Essencial de Marketing Digital. 

Canais de Descoberta, Personas e Conteúdo

Com o seu propósito/ posicionamento em mãos vamos aos próximos passos na construção da sua imagem digital, tudo é uma questão de saber com quem falar, o que falar e onde falar. 

Com quem falar?

Quando pensamos em com quem falar não estamos tratando apenas de segmentação de público (idade, sexo, renda, região, interesse…), mas um entendimento profundo de quem são as pessoas que estão do outro lado, criando personas fictícias que representam o seu público e com as quais você vai conversar. Como se fossem um amigo o qual você conhece bem as dores, desejos e necessidades. 

Essa persona vai surgir dos seus perfis de clientes ideais, que você vai mapear a partir dos seus melhores clientes ou de uma boa pesquisa de mercado. 

O que falar?

A primeira dica que eu tenho pra te dar é buscar falar de forma clara com seus clientes, pois esse é um erro comum entre os profissionais, criam conteúdos com uma linguagem técnica, principalmente por medo do julgamento da sua bolha profissional e esquecem que os clientes precisam de conteúdo básico e simples. Sem juridiquês ou vila-olimpês.

As pautas de conteúdo vão surgir a partir do mapeamento do seu cliente das suas dores, desejos e necessidades, criando conteúdos que se relacionem com as etapas que a sua audiência está no Funil de Vendas e com o nível de consciência do cliente em relação ao problema. 

Não adianta expor o cliente a uma solução para um problema que ele nem sabe que tem. 

As buscas no Google são uma ótima forma de saber o que as pessoas estão pesquisando e quais conteúdos você pode criar para ser encontrado por elas. No Essencial de Marketing Digital nossos professores ensinam ferramentas que te ajudam a mapear essas pesquisas e levantar palavras-chaves relacionadas a sua proposta de valor. 

A terceira dica em relação ao conteúdo para marketing pessoal é compreender a proposta do canal em que você está divulgando esse conteúdo e saber o que o seu público espera consumir de conteúdo naquele canal. 

O conteúdo do Facebook, do LinkedIn, do Youtube, do Instagram, do Blog são diferentes, enquanto algumas redes priorizam o lazer e a distração, outras pedem um conteúdo mais rico e detalhado. 

Não é por isso que um advogado ou médico têm que passar vergonha e usar o formato Reels do Instagram fazendo dancinhas, cantando ou fazendo memes. 

Eu quero dizer que cada canal vai pedir um tipo de conteúdo, por isso, neste exato momento você está aqui acompanhando o blog da Nova Escola de Marketing lendo um texto de 10 páginas com um conteúdo mais detalhado sobre marketing pessoal, enquanto no nosso Instagram nossos conteúdos são curtos e fáceis de serem absorvidos. Entendeu?!

Aqui no blog você está me dando a sua atenção e eu estou te mostrando como é importante estudar marketing digital e como isso pode agregar muito ao seu resultado profissional. Você está aprendendo esse conteúdo com a Nova Escola de Marketing e eu estou ainda te convidado para fazer parte do Essencial onde você vai poder aprender muito mais. 

É assim que você trabalha seu conteúdo, mostrando valor, conhecimento e criando um relacionamento. 

Onde falar?

Agora que eu já entrei um pouco na questão dos canais (onde falar), vamos dar continuidade e falar sobre os canais de entrada. 

Assim como no “mundo real” escolher um imóvel comercial bem localizado e movimentado ajuda você a ser encontrado pelos clientes, na internet temos os canais de descoberta, ou seja, os lugares onde os seus clientes vão te encontrar. 

São eles: redes sociais (Facebook, Instagram, LinkedIn, Pinterest, Twitter); canais de pesquisa (Google, Youtube). E dentro de cada especialidade podem ter sites, blogs, ou apps que façam esse papel de canal de descoberta como o Doctoralia para médicos; ou o Houzz para arquitetos; o Migalhas para Advogados; o GetNinjas para redatores publicitários e outros profissionais prestadores de serviço. Ou ainda, o Medium, o SlideShare, Spotify, etc. 

Enfim, os canais são aqueles onde os clientes podem ler um artigo, assistir um vídeo, ouvir um podcast, ver um anúncio ou pesquisar uma lista de profissionais para encontrar o que ele deseja. 

É importante entender o nível de consciência do clientes em relação a necessidade e estar presente nos canais mais relevantes para o seu público, tanto no momento de descoberta como nas demais etapas do funil de venda. 

Como gerar audiência para os canais?

Você pode estar pensando agora: 

– Eu já tenho Instagram, já tenho LinkedIn, já tenho Facebook e um site no ar, mas eu não tenho seguidores ou leitores. Como faço para aumentar minha audiência. 

Já ficou claro que colocar um canal “no ar”, criar uma fanpage, uma conta no Instagram, não significa que os clientes irão brotar magicamente. 

Existem basicamente 2 formas de gerar audiência ou tráfego: de forma ORGÂNICA ou PAGA. 

Organicamente você pode deve ter um site bem posicionado que receba muitas visitas por mês sem ter que gastar com anúncios. Ou ainda, contar com indicações influentes que gerem um volume de acessos considerável. 

Ou, de forma paga você vai precisar investir em acessos através de anúncios e publieditoriais.

Quem está começando dificilmente poderá contar com acessos orgânicos, porém essa é a melhor estratégia a médio e longo prazo. Pois, evita a dependência de anúncios em redes de terceiros. 

A construção de audiência é fundamental para você se destacar profissionalmente e fazer o seu conteúdo chegar a novos potenciais clientes. 

Para saber mais sobre estratégias de marketing digital, aprendendo como gerar audiência, entendendo a fundo o Funil de Vendas e conquistando mais controle sobre todo o seu processo de vendas pela internet eu te convido a conhecer o Essencial de Marketing Digital, a nossa assinatura mensal super acessível. 

Onde professores Rafael Rez e Mauricio Zane, fundadores da Nova Escola de Marketing detalham na prática todo processo do marketing digital.

Pois, um texto de 10 páginas nunca vai ser suficiente para te ensinar tudo o que é preciso. Lá você aprende a usar ferramentas, criar e colocar em prática o seu plano de marketing empresarial e pessoal. 

Espero que este artigo tenha te ajudado a entender um pouco mais sobre Marketing Pessoal na Internet para definir a sua proposta de valor e posicionamento. 

Um grande abraço e espero te ver em breve.

Fernanda Knopik

Fernanda Knopik

Arquiteta de formação e uma entusiasta apaixonada por marketing digital, já atuei em diversas áreas, criei diversos sites e blog, sendo o ArquiDicas o meu filhote digital com centenas de visitas mensais. Me aprofundei em diversas áreas de marketing passando a gerir lançamentos e hoje atuo como Gestora de Projetos na NMKT.

Deixar Comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Patrocinadores

Web Estratégica

Apoiadores

SEMRushLeadLoversiSet E-CommerceiSet E-Commerce